Os melhores filmes brasileiros – Parte 1

Antes de você, pequeno gafanhoto, torcer o nariz para os filmes brasileiros, saiba que existe um grande número de obras-primas e de excelentes filmes da nossa terra, tendo obras pra todos os gostos: comédia, drama, romance, ação, etc. Dessa lista abaixo, enquanto alguns longas você provavelmente já deve ter ouvido falar, outros passaram quase desapercebidos pelo grande público (o que não significam que não tenham sido bons), sem contar, é claro, com alguns filmes independentes e antigos que permaneceram à margem dos grandes holofortes da mídia.

Durval Discos

Gênero: comédia / suspense

Durval (um tipo de eterno solteirão hippie dos anos 70) e sua mãe Carmita vivem há muitos anos na mesma casa onde funciona a loja Durval Discos, que já foi muito conhecida no passado mas hoje vive uma fase de decadência devido à decisão de Durval em não vender CDs. Para ajudar sua mãe no trabalho de casa Durval decide contratar uma empregada, sendo que o baixo salário acaba atraindo Célia, uma estranha candidata que chega junto com Kiki , uma pequena garota. Após alguns dias de trabalho simplesmente desaparece, deixando Kiki e um bilhete avisando que voltaria para buscá-la dentro de 3 dias.

Cama de gato (não, não é a novela!)

Gênero: drama / suspense

Nesta que é considerada a “Laranja Mecânica brasileira”, Cristiano (Caio Blat), Francisco (Rodrigo Bolzan) e Gabriel (Cainan Baladez) são três jovens de classe média que moram em São Paulo. Assim que terminam o Ensino Médio, saem pela noite paulistana em busca de diversão. Fazendo um retrato dos dilemas de uma juventude dos anos 90 diante, Alexandre Stockler tenta focalizar uma geração diante de um dilema: de um lado uma necessidade quase fisiológica de se divertir; de outro, uma preocupação contínua de se estabelecer em uma sociedade que oferece cada vez menos oportunidades. Na noite de horrores na qual os garotos mergulham, o entretenimento confunde-se com a violência, assim como a preocupação de se estabelecer na sociedade confunde-se com a tragédia humana. Na tentativa de se divertirem a “qualquer custo”, acabam matando estuprando e matando uma adolescente. A partir daí, eles passam a tentar encobrir os crimes e, quanto mais eles tentam resolver os problemas, mais eles se complicam.

Uma das coisas mais interessantes nesse longa é que ele foi todo feito em uma única tomada. Não há cortes nem interrupções. Aos mais ligados em cinema, não faltarão elementos característicos do Dogma 95.

Lavoura Arcaica

Gênero: drama

Simplesmente maravilhoso! Esse filme baseado no romance homônimo de Raduan Nassar narra em primeira pessoa a história de André, que se rebela contra as tradições agrárias e patriarcais impostas por seu pai e foge para a cidade, onde espera encontrar uma vida diferente da que vivia na fazenda de sua família. Quando é encontrado em uma pensão suja em um vilarejo por seu irmão Pedro, passa a contar-lhe, de forma amarga, as razões de sua fuga e do conflito contra os valores paternos.

Pixote – A lei do mais fraco

Gênero: drama

Obra-prima de Hector Babenco e, por que não, do cinema nacional. Um dos mais cruéis retratos da realidade nas ruas de São Paulo, onde crianças têm sua inocência retirada ao entrarem em contato com um mundo de crimes, prostituição e violência. O destaque é pela cena antológica entre o menino Pixote (Fernando Ramos da Silva) e a prostituta Sueli (Marília Pera)

Os Saltimbancos Trapalhões

Gênero: comédia

Se você puder assistir a apenas um filme dos Trapalhões, que seja este! Funcionários humildes, os amigos Didi (Renato Aragão), Dedé (Dedé Santana), Mussum (Mussum) e Zacarias (Zacarias) se tornam a grande atração do circo Bartolo, graças à sua incrível capacidade de fazer o público rir. Mas o sucesso lhes têm um preço: a oposição do mágico Assis Satã e a ganância do Barão, o dono do circo. Juntos, os quatro amigos precisarão combatê-los. Mais dois motivos para você assistí-lo: 1) tem uma ótima trilha sonora (com músicas do Chico Buarque, Lucinha Lins e Elba Ramalho, por exemplo) e 2)A Xuxa NÃO participa deste filme!

Zuzu Angel

Gênero: drama

Prepare-se para chorar (até hoje, esse foi o filme em que mais chorei na minha vida)! Conta a história real da estilista Zuzu Angel que teve seu filho torturado e assassinado pela ditadura militar e de sua luta para conseguir justiça perante o terror dos anos de chumbo. Destaque para a atuação comovente de Patrícia Pillar (como Zuzu Angel).

Se eu fosse você 2

Gênero: comédia

Sem dúvida, uma das melhores comédias brasileiras de todos os tempos, sendo superior até ao primeiro filme (Se eu fosse você). O casal Cláudio e Helena Maria, interpretado por Tony Ramos e Glória Pires, volta a viver uma troca de papéis. Depois de alguns anos da primeira troca, os conflitos constantes voltam a prejudicar a relação e o casal resolve se separar. Para tornar a situação ainda mais complicada, eles descobrem que a filha, Bia, agora com 18 anos, está grávida e vai se casar. A cena da depilação do Tony Ramos (imagina a cena?) é antológica!

~ por fernandaregina em 14 de fevereiro de 2010.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: